Archive for the ‘New Old Jornalismo’ Category

A voz da roupa

Saturday, May 26th, 2012

Qual a voz de nossas roupas? Quais falas proporcionamos com as peças que escolhemos? Qual mensagem transmite nosso uniforme de trabalho? Reflexões como estas nos são causadas numa visita à exposição “A voz da roupa”, que une fotografia documental com produção de moda, até 10 de junho, na Galeria dos Arcos, no Gasômetro, em Porto Alegre.

Numa iniciativa do fotógrafo Tiago Coelho e do produtor Régis Duarte com diversos estilistas, pessoas comuns foram fotografadas com seus uniformes de trabalho (documental) e também produzidas, diferente do que sempre estão (ficcional).

A seguir, alguns cliques que não entregam muito, vale a pena ir lá para ver mais:

UPDATE: estão rolando bate-papos entre os estilistas e os “modelos”, a doméstica, a operadora da Trensurb, o policial, a dançarina, o palhaço, o garçon e a garçonete. O próximo é no dia 30.

0

SEDA de Porto Alegre palestrou em São Leopoldo

Thursday, May 24th, 2012
Aproximadamente 30 pessoas estavam presentes, mas ninguém da prefeitura anfitriã

Foto: Wagner Pehls/Divulgação

Numa iniciativa do Projeto Vida, entidade protetora de animais, a SEDA (Secretaria de Direitos Animais) de Porto Alegre foi convidada a palestrar em São Leopoldo na noite de quarta-feira, dia 23, na Câmara de Vereadores da cidade. Com apenas 10 meses de existência, a Secretaria da capital gaúcha acumula bons exemplos e vem sendo convidada para multiplicar suas práticas em cidades de todo o Brasil.

No caso do município do Vale dos Sinos em particular, a iniciativa do evento foi muito elogiada, visto que no momento é grande a insatisfação dos mais de 30 presentes, muitos protetores individuais ou de ongs de São Leopoldo e região, com as políticas públicas que não existem na cidade ou que, se acontecem, não estão a contento e nem dialogam com a comunidade.

Todos aguardavam a presença de membros do poder público de São Leopoldo, para que estes também buscassem aprendizado com a SEDA, mas ninguém estava presente, nem vereadores, nem o senhor prefeito Ary Vanazzi e nem sua primeira dama. Contatado via Twitter, o governante escreveu: “Agradeço pelo convite, mas como não tinha agendado, estou em outra atividade. Conte comigo”.

Os projetos da SEDA

Com um orçamento reduzido de apenas 0,08% do total da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, descreveremos a seguir, tudo que a SEDA está conseguindo fazer. São projetos importantes, que merecem atenção especial de outras cidades brasileiras:

Unidade Móvel Bicho Amigo 1 e 2: dois ônibus grafitados com desenhos de animais que percorrem bairros da cidade, um com bloco cirúrgico para esterilizações (castrações) e outro apenas para transporte de animais que fazem cirurgias na base da entidade. Atenção, o foco não é recolhimento, mas atendimento a animais de rua ou de propriedade de pessoas de baixa renda;

Guarda responsável: palestras nas escolas, campanhas em ônibus Carris e ATP, além de distribuição de material de conscientização nos pedágios de ida para a praia, época em que existe mais abandono em plena Freeway. Numa parceria com a Concepa, cães são recolhidos da Estrada e levados para Ong de Gravataí que buscará adoções de fato responsáveis;

Feiras de adoção: tanto dos animais que abrigam (aproximadamente 100), quanto de ongs cadastradas, que devem se adequar a regras, como ter autorização da Secretaria do Meio Ambiente que atesta boas condições do trabalho, doar apenas animais castrados, vacinados, além de preenchimento de ficha do adotante, em que este responde um questionário para atestar real interesse e condições de cuidado do animal adotado;

Telefone 156, opção 9: número do Fala Porto Alegre para denúncia de maus tratos, lembrando que a maioria são improcedentes, se tratando de brigas entre vizinhos incomodados e outras situações. Quando válido, o caso é levado para âmbito policial;

Ressocializa: adestramento de cães que tiveram episódios violentos, sobretudo pitt bulls, mas que não precisam ser desacreditados. Depois, são colocados para adoção e há relatos de ótima convivência;

Adote um cavalo: Junto à EPTC, trata de cavalos vítimas de maus tratos e os coloca para adoção, sendo que não poderão mais ter rotinas exaustivas, como a de puxar carroças;

Padrinhos de final de semana: ação que já gerou apadrinhamentos que depois viraram adoções efetivas;

Exposição fotográfica de animais com necessidades especiais: aconteceu no Mercado Público de Porto Alegre e sensibilizou população, gerando várias adoções de animais amputados, cegos ou com outras necessidades especiais.

Alguns números da SEDA em 10 meses

Esterilizações/castrações: 4592
Fiscalização: 2654
Vermifugação: 1295
Atendimento clínico: 859

O site da Secretaria é o www2.portoalegre.rs.gov.br/seda Compartilhe esta matéria. Sugira também ações na prefeitura de sua cidade.

* Jornalista, voluntária do Paar (Projeto Amigos dos Animais de Rua)

0

O sonho brasileiro – manifesto

Wednesday, May 2nd, 2012

E você, tem sido um desses jovens-ponte?

0

Faces

Monday, April 30th, 2012

Acostumadas ao mundo virtual, as pessoas estão sem estar neste estágio limítrofe entre o lazer e o vício. Registram sem testemunhar, olham sem ver, comentam sem saber e só percebem um fato quando ele vira imagem, instantaneamente, assim que o celular já o tenha capturado para o Facebook.

Depois é comentar e curtir porque o que menos importa é ter visto ou participado realmente do evento ou do acontecimento ou seja lá do que for. Mesmo quem foi e registrou, tenha certeza, acaba, na maioria das vezes, não estando ali. Uma parte fotografa e a outra viaja nas redes sociais sem rumo. E enquanto a vida corre, transcorre, transborda ao vivo, os dedos teclam a ilusória intenção de traduzir o real.

Farsa, enganação. Comece tudo de novo, veja, sinta o momento acontecendo sem filtros, sem compartilhar, sem um milhão de amigos virtuais xeretando aquele instante. Contar histórias é lúdico e saudável, mas elas precisam primeiro ser vivenciadas para depois serem relatadas. Tudo ao mesmo tempo não dá.

Aliás, se desconheces a maioria dos teus amigos virtuais, a quem confiará verdadeiramente a tua história, a tua existência, os teus lamentos, os teus amores, a tua vida, os teus momentos sem glória e de tristeza, tuas alegrias, tuas conquistas, todos os medos e horrores de ser quem és?

Olha o que te cerca, observa o que acontece, esteja presente. O tempo se encarregará de dizer qual a parte mais interessante da história da tua vida que merece ser compartilhada, comentada, curtida entre os que tu escolheste, verdadeiramente, para testemunhar a tua trajetória e a tua passagem por aqui ou pelo Facebook.

Roseli Santos
Jornalista

Publicado originalmente na página 2 do Jornal Panorama, de Taquara (RS)

1

De Caruaru em 140 caracteres

Tuesday, March 13th, 2012

Estou a trabalho alguns dias em Caruaru (PE), de onde tenho postado algumas fotos e impressões culturais pessoais no twitter deste blog. Se quiser acompanhar, siga ou só acesse: www.twitter.com/blogninaflores

0

Duas mulheres

Thursday, March 8th, 2012

Duas mulheres. Dois exemplos de feminilidade, força e respeito. Para também acreditarmos e fazermos acontecer. Clique nos links para assistir. Apresento-lhes:

Ercília, catadora no Espírito Santo, agora caloura de Artes Plásticas na Ufes:

Luislinda, primeira juíza negra do Brasil, atua em Salvador (BA):

0

Economia solidária com muito estilo

Tuesday, January 31st, 2012

Muitas pessoas têm preconceito de visitar feiras de artesanato e economia solidária, pois acham que só vão encontrar mais do mesmo. Acontece que, cada vez mais, os artesãos têm recebido profissionalização e treinamentos que abrem suas mentes para aprimorarem suas criações com muito estilo e diferenciação.

No final de 2011, o Banco do Brasil abriu,  na Orla da praia de Copacabana, esquina com a Rua Siqueira Campos, no Rio de Janeiro, um quiosque com a Loja da Rede de Economia Popular Solidária (Rio EcoSol). Todas as peças são feitas em projetos de comunidades do estado, entre elas Santa Marta, Complexo do Alemão, Manguinhos e Cidade de Deus. E são peças belíssimas, que enchem os olhos e o coração de poder ter acesso. Ao menos eu me senti assim!

Mais do que nunca, comprar uma peça única e que você sabe o nome de quem fez e que vai receber aquele pagamento, não tem preço!

Vejam a seguir algumas das peças que mais achei bacanas:

Almofadas com misturas de técnicas, como patchwork, bordado e pintura.

Porta moedas e carteiras feitas com páginas de gibis plastificadas

Porta moedas feito com fita cassete

Outro modelo, este com corrente e tem que se ligar no artista: Sting ; )

Tem bolsa mais linda para se sentir única por aí? Coloridíssimas, feitas em crochê

Agora crochê com fuxico numa shopping bag para lá de brasileira: demais!

Mochila com sobras de jeans + patchwork: favela e estádio de futebol!

Coletinho de crochê vermelho

Vestido lunar!

Minhas escolhas que voltaram na mala: bolsa Frida Kahlo com pintura + patchwork, do Grupo Arte Fuxico, de São João de Meriti; e puxa-saco de galinha.

1

Que vergonha, São Leopoldo!

Thursday, January 26th, 2012

Secretaria do Meio Ambiente manda moradores se livrar de animais e causa revolta na população

Uma lei municipal de São Leopoldo tem gerado polêmica no município. Isso, porque fiscais da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, a SEMMAM, têm visitado a casa de protetores de animais e estabelecido prazo para que estas pessoas se enquadrem na lei 5.096, que não permite que um cidadão tenha mais de 5 animais em sua residência.

Porém, segundo a moradora Bruna Slesch (é Flesch!) Doberstein, funcionários da SEMMAM foram até a casa dela e, mesmo constatando que a protetora dava os devidos cuidados aos animais, sugeriram que ela se livrasse de dois cães, para se adaptar à lei municipal.

Clique para ouvir a matéria de Cristiano Goulart, da Band-RS

Como é que funcionário da prefeitura consegue aceitar salarinho e deitar cabeça no travesseiro para fazer esse papelão, hein?

Desculpe não deslanchar em assuntos mais light e fofi (bleght!) no blog, mas isso me deixa muito indignada e triste, faz parte de mim e me movimentando por dentro, preciso escrever.

Vai que tio Vanazzi recebe meu texto num clipping e aos 46 do segundo tempo resolve estampar a mídia com “São Leopoldo vira referência nacional pela causa animal”? Não vejo tio Vanazzi preocupado com esses assuntos.  E olha, tio, que sou esquerda, mas sua política me parece sem coração, enerva. Tio Lula e tio Tarso dariam mais atenção!

3

CRUELDADE NUNCA MAIS reúne mais de 100 em São Leopoldo

Sunday, January 22nd, 2012

Texto e fotos: Aline Ebert

Aproximadamente 120 pessoas saíram de suas casas nesta manhã de domingo, dia 22, para participarem do manifesto CRUELDADE NUNCA MAIS, em São Leopoldo (RS). O ponto de encontro foi em frente à Câmara de Vereadores, junto à Praça do Imigrante. No mesmo momento, outros cidadãos de centenas de cidades do Brasil se reuniram também. Todos pedem às autoridades punição para quem comente atrocidades contra animais, que são seres sencientes e indefesos.

Segundo Bruna Melina Flesch Doberstein, do Paar (Projeto Amigos dos Animais de Rua), não importa se uma pessoa mata um, 1000 ou 10.000 animais, hoje em dia ela assina um termo circunstancial e fica livre. “Isso precisa mudar”, disse.

Entre os participantes, desde projetos organizados, como Paar, Gada e Cempa (São Leopoldo), Cachorro de Rua (Novo Hamburgo) Paz e Amor Bicho (Gravataí) até protetores avulsos e simpatizantes da causa, como crianças acompanhadas dos pais, ciclistas e motoristas.

A maioria vestia branco e carregava cartazes com frases pacíficas, mas que pedem maior atenção com os casos de atrocidades que vêm chocando o país. As pessoas seguravam balões brancos e usavam camisetas com imagens do manifesto ou de bichinhos. Mesmo não aconselhados, muitos levaram seus pets e fizeram a alegria de todos os presentes.

Ao longo do caminho pela Rua Independência até a Avenida João Correa, vários animais de rua foram surgindo e pareciam entender que aquela caminhada e causa era por eles, andando junto e brincando com os manifestantes.

O próximo passo é aguardar a publicação do abaixo-assinado online no endereço www.crueldadenuncamais.com.br e fazer sua adesão, além de difundir suas fotos, vídeos e textos pela internet levando estas informações a mais pessoas de todo o Brasil.

0

Do Rio de Janeiro em 140 caracteres

Monday, January 9th, 2012

Viajando para cobrir 2 eventos no Rio de Janeiro, esta cidade inspiradora. Resolvi escrever algumas impressões diariamente com os 140 caracteres do twitter deste blog. Para acompanhar, siga ou só acesse: www.twitter.com/blogninaflores Até a volta!

0

10 motivos para amar BH

Monday, October 31st, 2011

1. Pessoas simpáticas pra mais de metro  (ei, cê tá boa?);

2. Sua arquitetura interessante (prédios antigos lindos, inclusive alguns de Niemeyer);

3. Ruas arborizadas e charmosas, cheias de lombas (morros para eles);

4. Uma moda que faz bonito e emprega muita gente (Minas Trend Preview organizado e gerando negócios reais);

5. As bijus da Mary Design para a gente  viver com mais poesia;

6. A criatividade de Ronaldo Fraga que faz qualquer evento mais inspirador;

7. Pão de queijo todos os dias  (mais de 12 variedades congeladas no supermercado e no café da manhã, com placa gravada e tudo: regional cheese bread : )

8. Bares, muitos bares, de todos os tipos. São a praia mineira;

9. Dezenas, centenas, milhares de tipos de cachaças;

10. Um mercado central daqueles bem populares, e por isso ótimos, com tudo fresco para as compras da semana: verduras, queijos, grãos, pimentas, doce de leite… mas também pedras naturais, roupas e calçados artesanais, utilidades do lar.


Minha cobertura oficial do MTP inverno 2012 aqui: 3º dia2º dia1º diacoletivadesfile de abertura, programação. E mais Uso nas Ruas, Desfiles, Twitter ao vivo, Youtube e Feiras (em breve).

0

Escurinho (1950-2011)

Wednesday, September 28th, 2011

Em 2010, tive o prazer de me emocionar com o Internacional, que não é meu time, mas deu um show de amor a um clube quando desfilou no Donna Fashion Iguatemi com a participação do ex-jogador Escurinho, que faleceu ontem. Na época, escrevi sobre a experiência para o Lado D dos Esportes aqui.

“() Usando uma camiseta retrô número 14, igual à que ele usava nos anos 70, tinha dificuldades para andar, mas foi auxiliado por duas modelos. Escurinho dá nome à linha de produtos infantis do Colorado, que também tem cunho social ()”

ps.:  esta matéria do site Milton Neves diz que ele também jogou no Palmeiras ;  )

0

Cobertura Oscar Fashion Days 2011

Monday, September 19th, 2011

Estive em São José dos Campos (SP), onde adorei participar deste evento que democratiza os desfiles de moda, abrindo as apresentações para o consumidor final. Esta modelo se chama Malana e foi um dos destaques do casting, pois ela simplesmente arrasa em todas as entradas.  Linda!

Minha cobertura:

www.usefashion.com/categorias/noticias.aspx?IdNoticia=99613

0
Posted in Modas, New Old Jornalismo |

Um outro 11 de setembro, Chile, 73

Sunday, September 11th, 2011

Recebi há pouco o link para um curta metragem sobre 11 de setembro, mas um outro, que a TV não deve estar lembrando e nem eu saberia se não fosse uma companhia que está sempre me mostrando alguma coisa.

Um exilado conta sua história durante a queda de Allende, patrocinada por EUA, escrevendo uma carta para os entes queridos da tragédia das torres de NY.

O jornalismo nos ensina a ouvir os dois lados de um tema, mas na vida, normalmente não agimos assim, achando nossa dor sempre maior do que a do outro:

http://dissonancia.com/blogdissonante/?p=7570

0

Um brasileiro, um orgulho: Renê Silva

Wednesday, September 7th, 2011

Para fazer valer o 7 de setembro, para inspirar novas histórias, minhas, nossas, para ultrapassarmos as fronteiras:

0

Que sensibilidade, lindo!

Tuesday, September 6th, 2011

Comercial sueco publicado pelo Ciclo Vivo, site sobre sustentabilidade, inovação, boas maneiras e que tem o ótimo slogan “Plantando notícias”:

0

Copa América em ap. de São Léo

Sunday, July 10th, 2011

Um morador de São Leopoldo (RS) achou uma forma inusitada de mostrar o quanto gosta de futebol () Olhar meu no Lado D dos Esportes.

0

Fuego sobre el marmara – legendas português

Monday, June 27th, 2011

Um documentário lançado recentemente e disponível na internet, vale muito a pena ser visto por quem deseja entender o conflito Israel-Palestina de uma forma mais real, pouco divulgada na mídia. São 59 minutos de histórias de vidas e busca por um mundo sem discriminação, neste caso de raça e credo.

Mostra quem eram as cerca de 150 pessoas, de dezenas de países, que estiveram no Marmara, embarcação humanitária que buscou furar o bloqueio de Gaza em maio de 2010.

Jornalistas, fotógrafos, músicos, religiosos de várias crenças, unidos para levar comida, itens de higiene, materiais de construção e amor aos palestinos. Mostra também, ao vivo, como foi o  ataque noturno do exército israelense que ocasionou 9 mortes de civis que ali estavam, sem armas, apenas câmeras fotográficas, laptops e celulares nas mãos.

Essas  pessoas inclusive foram chamadas ontem, durante o programa Hora Israelita, há 64 anos no ar na Rádio Bandeirantes, de terroristas. O assunto está reaberto porque nesta semana, sai uma segunda embarcação.

Quem publicou foi o blog dissonante, com 5 partes com legendas em português. Vale muito a pena assistir. Clique e role a página até os vídeos: www.dissonancia.com/blogdissonante/?p=6646

2

Maria Lucimar Pereira, 120 anos

Friday, June 24th, 2011


O que come, bebe, faz, pensa, deseja… Como age, se relaciona, ama, vive esta senhora? O que a diferenciou para chegar a esta idade? Eis o mistério da vida!

Fonte: Folha.com - Funcionários do INSS encontram senhora de 120 anos no Acre.

0

Vitor Necchi, também adoro “malas”

Tuesday, June 21st, 2011

Eu tenho turma, por Vitor Necchi, Coordenador do Curso de Jornalismo da PUCRS

Quando me sinto cansado demais, quando tenho muito o que fazer, quando fico tenso, quando o dia e a semana exigem e parece que o tempo não será suficiente para tudo, nesses momentos fraquejo e tenho vontade de chorar. Hoje foi um dia assim. Pelo menos em dois momentos quase chorei, mas me contive, porque frescura tem hora, né? Mas o fato é que esta sexta-feira, que nem diria um saudoso e sensível ex-aluno, esta sexta-feira veio de gangue pra cima de mim.

Logo cedo me irritei profundamente com a crônica do David Coimbra em ZH. Intitulada “Eu não tenho turma”, ele dispara sua cólera retórica contra petistas, ecologistas, budistas meditadores, veganos, feministas e defensores dos animais, todos perfilados sob o mesmo adjetivo: malas. Seguindo a verve de cronista esperto, ele dispara contra alguns religiosos, liberais, saudosistas da ditadura, racistas, integrantes do movimento negro, antitabagistas, o pessoal da Massa Crítica e linguistas e intelectuais que discutem preconceito linguístico. David Coimbra se mostra irritado com os malas organizados que enchem o saco dele. E dispara: “Eu não tenho turma, eu não quero ter turma, com exceção das pessoas de quem gosto, que não formam uma associação, que não são ONG (malas!), nem movimento de coisa nenhuma”.

Pois num dia que se iniciou me irritando com o texto do David Coimbra e que me deu vontade de chorar durante seu desenrolar em razão da loucura da vida, esse dia terminou há pouco e eu sorri porque sou um mala. Tive vontade de sorrir, sobretudo, porque tenho amigos malas que acreditam no poder que têm de transformar o mundo, por mais clichê que isso possa soar para os espertos que não gostam dos malas que se agrupam em torno de causas comuns.

É madrugada de sábado. Moro no Rio Grande do Sul, o estado mais meridional do Brasil onde o frio não é retórica. Mais do que chamariz para turistas encasacados, o frio sulino fere a carne e a dignidade de quem vive nas ruas. O povo das ruas, que muitos chamam de mendigos, desocupados, bêbados, viciados ou vagabundos, são pessoas que em algum momento da vida perderam o vínculo com a formalidade do mundo. A família, o teto, o trabalho, a capacidade produtiva, os afetos, o orgulho, as posses, tudo ficou para trás, e a rua, sedutora e perigosa, se tornou abrigo desse contigente. A rua, dizem, é de todos, e ela recebe quem se esquiva da vida pretérita ou quem teve seu futuro subtraído.

É madrugada de sábado em Porto Alegre e pela primeira vez em muitos intermináveis anos o seu Valdir terá um teto. Em Viamão, município vizinho desta Porto Alegre gelada, seu Valdir e sua cadela, a Princesa, se encontram abrigados numa casa. Deve estar meio escuro, pois a correria e a excitação causadas pela bondade impediram que os benfeitores se lembrassem de solicitar à CEEE que a eletricidade fosse restabelecida na casa humilde, mas tudo bem. O escuro não deve assustar quem sobreviveu no hiato da vida mimetizada sob a curva de um viaduto cinza.

É madrugada. Na sexta-feira que se encerrou há pouco, fiquei irritado com o David Coimbra e a exaustão me deu vontade de chorar, mas em poucos minutos deitarei sorrindo porque tenho amigos malas que formam um grupo e compartilham crenças. Entre esses malas, há aqueles que salvam animais. A Thiane, por exemplo, é muito mala, essa guria. Vocês não imaginam quantos animais ela já salvou e conduziu a uma casa onde fossem bem tratados. Dezenas de malas doam dinheiro para a Thiane, compram as rifas da Thiane, comparecem aos bazares organizados por ela com o único propósito de ajudar gatos. Cada vez que eu faço uma doação para ela, sei que a causa desta mala dá mais um passo. Confio cegamente nessa mala e seguirei contribuindo com suas loucuras.

Há outros malas que conheço e que abrigam em suas casas animais enxovalhados por seres humanos. Eu mesmo sou um mala. O Rufus e seus três irmãos foram resgatados de dentro de um saco amarrado jogado num mato. A morte era certa, mas a Candice resgatou a prole e cuidou dos gatinhos até eles completarem dois meses. Um deles é o Rufus, que há mais de dois anos mia todo dia quando pressente minha chegada. Outra mala é a Cleide, que resgatou a Yolanda na beira de um esgoto na Região Metropolitana. Quando a trouxe para casa, ela tinha medo das pessoas, do vento, de espirro. Com o tempo, a vilania dos chutes e pedradas restou no passado e ela foi se chegando, se aninhando. Hoje, a linda gata plúmbea lambe minha barba antes de deitar ao meu lado e esfrega a cabeça na mão das visitas.

Mas a mala suprema da semana e de todos os dias é a Katarina, amiga exuberante que transborda afeto e indignação. Essa mala tem uma turma de malas que compartilham sentimentos. A Katarina, mala como sempre, descobriu seu Valdir e sua Princesa na rua. A força do seu olhar insubordinado detectou que a dignidade podia ser devolvida para este cidadão que vive na rua mas não é da rua. Ela descobriu que seu Valdir teria direito a benefícios sociais e foi atrás deles. Ela acenou e os amigos malas atenderam. Uns deram dinheiro, outros, móveis e roupas. Foram dias e dias de mobilização, e o resultado é que o seu Valdir se encontra, nesta madrugada gelada, abrigado sob um teto que pode chamar de seu.

Nesta madrugada gelada que sucede um dia tenso de uma semana louca que me deu vontade de chorar, vou para a cama sorrindo porque a Thiane é uma mala, a Candice é uma mala, a Cleide é uma mala. Deito sorrindo porque tenho amigos malas. Deito emocionado porque a Katarina é uma mala imensa. A bondade e o amor não são clichê, nem cafonice, muito menos retórica na vida da exuberante Katarina. E essa malice contagia.

David Coimbra, eu amo meus amigos malas. Eu me inspiro nos militantes malas. Eu respeito as ONGs malas. Eu financio malas que cuidam de bichos escorraçados. Eu defendo malas negros, gays, deficientes, travestis, ambientalistas. Eu me somo aos malas que ampararam seu Valdir e sua cadela. Eu tenho uma amiga chamada Katarina que tem o coração do tamanho de uma Kombi anos 70 e, de tão mala que é, de tão obstinada, de tão desbragadamente mala, conseguiu dar dignidade a um homem que precisava apenas de um aceno para recompor sua vida.

David Coimbra, mais do que amigos, eu tenho uma turma de malas. E isso me dá um baita orgulho.

1

Sustentável e inteligente com estilo

Monday, June 20th, 2011

Já tinha admiração pela Chiara Gadaleta devido ao ótimo site Ser Sustentável com Estilo, que acompanho desde que iniciou como pequeno blog. Mas sua fala durante o II e-blogs de moda, promovido pelo núcleo Valliosa, da J&J, me surpreendeu ainda mais. Não sabia como tudo tinha começado…

Se por um lado a beleza, elegância e influência de Chiara poderia a fazer apenas mais uma conhecedora de algum tema dentro da moda, como existem tantos exemplos, essas qualidades se somam a uma simplicidade e autenticidade admiráveis que, unidas à inteligência sobre o tema sustentabilidade – que não é só ecologia, ela lembra, mas também resgate dos ofícios, por exemplo (adorei isso!), deram gosto de ver e escutar.

Tudo começou quando ela ainda tinha a marca Tarântula, que produzia acessórios com conotação de joias, com uso de materiais alternativos e mão-de-obra justa, com proximidade dela com quem produzia. Para crescer, um dos administradores veio lhe avisar que precisariam começar a produzir na China ou Índia para aumentar os lucros. Ela repensou e resolveu encerrar a marca.

Foi estudar o que estava por trás do que a moda não costuma comentar, do que o consumidor não costuma saber. Então começou a trabalhar seu projeto SSE (Ser Sustentável com Estilo), que se tornou Instituto em janeiro último.

Além de ser um site colaborativo sobre o assunto, leva seu trabalho de consultoria a comunidades que produzem artesanato, mas precisam de uma conotação de moda, empresta sua imagem para causas sustentáveis, elabora exposições, feiras, entre outros.

Ao longo de sua fala, Chiara citou RE’s como Respeito, Reciclagem, Reaproveitamento, Reutilização (vintage, brechós) e eco-critérios, como utilização de materiais orgânicos, comércio justo (fair trade), artesanato + design, desperdício, feito à mão e upcycling.

Também expos projetos sustentáveis que estão acontecendo com muito empenho no Brasil e são seus parceiros. Ela se aproximou de todos eles, vivenciando suas propostas, a exemplo de Luciana Galeão e o Morro da Sereia, de Salvador (BA);  Patrícia Moura Bijoias e Rendarte, de Pernambuco; e Kalina Rameiro (PI).

Para quem admira causas sociais, como eu, e também moda, foi um momento bastante emocionante e inspirador.

Das marcas apoiadoras presentes, destaco a Naturezza (linha da Via Uno), que consegue fazer, comercialmente, para classe C, lindos calçados com materiais alternativos, alguns reaproveitados;  a Boca Grande, jovem marca infantil que se mostrou bastante honesta ao dizer que ainda não faz nada sustentável, mas se sentiu inspirada pela palestra e em breve promete novidades; e Damyller, grande marca, com dezenas de lojas próprias, mas superempenhada na melhoria da questão dos problemas decorrentes da lavagem do jeans, seu carro-chefe.

Ah, também a pequenina grife Rache Martini, de Caxias do Sul, que valoriza a qualidade a quantidade, fazendo peças bem únicas, não muito calcadas em temporadas, tendências…

Todos fazendo o trabalho do beija-flor, citado em algum dos momentos, que, questionado sobre porque buscava apagar o incêndio da floresta com sua pequena quantidade de água no bico, respondeu que estava fazendo sua parte! Sábia natureza.

Foto: Divulgação

2

Islamia, camarada!

Saturday, June 18th, 2011


Islamia tem o bonito significado de Ilha minha, nome do blog que tive o prazer de conhecer recentemente devido “palestra” da idealizadora, a cubana Norelys Morales Aguilera, durante VI Congresso se Solidariedade a Cuba, no Plenarinho, em Porto Alegre (RS).

A plateia não estava lotada. Não vi presentes disputando tweets. Mas quem arriscou, petiscou uma aula sobre temas como mídia alternativa, acesso restrito a internet, checagem de informação, comunicação e poder, bloqueio midiático…

Já a fala de sr. Zamora, embaixador de Cuba no Brasil, inspirou a refletir mais sobre tudo que se quer e o que realmente se precisa. Um presente, um chão para nosso consumismo desenfreado.

“Solidariedade não é dar o que sobra, mas compartilhar o que se tem”.

Foto minha, trabalhada em photoshop. Esquete emocionante pós-evento, “Fragmento: te doy una cancion”, de Ana Campo,  uma homenagem aos cinco presos pelos EUA.

Neste sábado, dia 18, fui convidada para o II e-blogs de moda, já que Nina Flores também posta algumas coisas relacionadas, criações com amor. Me faz bem circular entre o que para muitos seria tão diferente, política e design, mas simplesmente ambos me tocam com a mesma intensidade! Já dizia nosso comandante:

“Hay que endurecer, pero sin perder la ternura” ; ) Precisa dizer mais?

0